Parem de nos cobrar!

É incrível como as pessoas estão sempre lhe cobrando, mesmo que as cobranças estejam disfarçadas de brincadeiras inocentes. Quando você está na escola, a família pergunta, questiona, os tios querem saber se você passou direto. Se você ficou em recuperação ou perdeu o ano e seus primos passaram direto, você se sente uma porcaria.

Quando passa da adolescência e tenta se encontrar em um curso que definirá a sua profissão pelo resto da vida, começam as perguntas: Passou no vestibular? E se não tiver passado… ou melhor, a pressão por não ter passado em uma Universidade pública enquanto seu irmão/primos/amigos conseguiram?

Algumas vezes independente da sua idade, as pessoas começam a fechar o cerco e sempre que lhe encontram, perguntam: Tá namorando? Cadê o namorado? Eis que a resposta negativa repetida tantas vezes começa a ficar pesada, deste modo, você sente um frio na espinha sempre que vai encontrar ou encontra ocasionalmente essas pessoas porque sabe que a pergunta vai acontecer: Está namorando?

Eis que você vence a barreira dos questionamentos alheios sobre relacionamento e responde que está namorando. Não se sinta aliviada. Em breve começarão as cobranças pelo casamento. Tá na hora, tá ficando velha, está namorando a tanto tempo, quando vai casar?

E quando resolve casar? Nada disso é o suficiente. Afinal, bastou casar para perguntarem: Quando vem o filho? Teve o herdeiro, então perguntam: Quando vem o irmãozinho?

Ora, preciso dizer que eu também pergunto essas coisas. Não em tom de cobrança, mas de forma saudável seja para brincar ou encher a paciência com quem tenho intimidade. Cada um sabe quando lhe fazem cobranças com o veneno escorrendo pelo canto da boca… Quando a cobrança é para fuxico alheio a melhor resposta é: Não é da sua conta! E tenho dito.